O que a mulher pode fazer para prevenir o câncer de mama?

Mulher com duas luvas de boxe rosas com laço em comemoração ao Outubro Rosa

Sabia que é possível reduzir o risco de câncer de mama? Apesar de ser um dos tipos de câncer mais comuns, atualmente, já se sabe que existem hábitos e atitudes que ajudam a prevenir o câncer de mama. Por isso, neste mês de outubro, que é marcado pela campanha Outubro Rosa, queremos ajudar você a entender o que é possível fazer para combater essa doença.

Sobre o câncer de mama

A American Cancer Society explica que o câncer começa quando as células passam a crescer descontroladamente e acabam formando um tumor. Para isso acontecer, existem várias possíveis causas e fatores de risco.

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres, depois do câncer de pele não melanoma. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), estima-se que 66.280 casos novos de câncer de mama se desenvolvam em 2020.

Ele é um tipo de câncer que pode evoluir de diferentes formas. Em alguns casos, de maneira rápida, em outros, lenta. Além disso, pode começar em diferentes partes da mama. A maioria começa nos dutos que transportam o leite para o mamilo. Mas alguns começam nas glândulas que produzem o leite materno.

Por isso, o câncer de mama é classificado em diferentes tipos. Os mais comuns são o carcinoma ductal in situ e o carcinoma invasivo.

Fatores de risco para câncer de mama

Como falamos antes, existem vários fatores que podem aumentar o risco dessa doença. Por exemplo, os casos acontecem com mais frequência em mulheres com mais de 50 anos. Segundo o Inca, cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos. Por isso, a idade é um dos principais fatores de risco. Mas existem vários outros. Veja quais são:

Comportamentais e ambientaisHistória reprodutiva e hormonalGenéticos e hereditários
Obesidade e sobrepeso após a menopausaPrimeira menstruação antes dos 12 anosHistória familiar de câncer de ovário, de mama em homens, de mama em mulheres, principalmente antes dos 50 anos
SedentarismoNão ter tido filhosAlteração genética, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2
Consumo de bebida alcoólicaPrimeira gravidez após os 30 anos 
Exposição frequente a radiações ionizantes (raios-x)Não ter amamentado 
 Parar de menstruar após os 55 anos 
 Ter feito uso de contraceptivos orais (pílula anticoncepcional) por tempo prolongado 
 Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de cinco anos 

É importante entender que a presença de um ou mais desses fatores de risco não significa que a mulher terá, necessariamente, a doença. Além disso, como é possível ver, alguns fatores de risco não podem ser controlados. Mas o câncer de mama de caráter genético/hereditário corresponde a apenas 5% a 10% do total de casos da doença.

Vários outros importantes fatores de risco podem ser alterados ou reduzidos.

Como prevenir o câncer de mama?

Cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com hábitos saudáveis, de acordo com o Inca. Confira algumas dicas do que é possível fazer:

1. Reduzir o consumo de álcool

Mesmo baixos níveis de ingestão de álcool têm sido associados a um aumento do risco dessa doença. Portanto, o ideal é não consumir álcool ou, ao menos, consumir o menos possível. A recomendação de associações, como a American Cancer Society e a Mayo Clinic, é limitar-se a menos de uma dose por dia.

2. Praticar atividade física

Segundo estudo publicado na revista Nature, uma em cada 10 vítimas do câncer de mama poderia ter a vida poupada se praticasse atividade física. A prática regular de atividade física influencia no controle de peso, no nível de gordura e atua diretamente sobre hormônios e marcadores inflamatórios. Por isso, é essencial para reduzir o risco de câncer de mama.

A American Cancer Society recomenda que os adultos pratiquem pelo menos 150 a 300 minutos de intensidade moderada ou 75 a 150 minutos de atividade vigorosa por semana. Uma caminhada rápida, por exemplo, é considerada uma atividade moderada.

3. Não fumar

Fumar causa várias doenças e está associado a um risco maior de câncer de mama em mulheres na pré-menopausa. Portanto, é importante não fumar. Se você fuma, tente parar. Sabemos que o tabagismo é um hábito difícil de quebrar. Mas é possível. Evite gatilhos e lembranças do cigarro, e procure apoio médico se necessário.

4. Amamentar

Mulheres que optam por amamentar por pelo menos vários meses podem ter um benefício adicional de reduzir o risco de câncer de mama.

5. Alimentar-se de forma saudável

Não existe alimento ou dieta que previna o câncer. Mas alguns alimentos podem tornar seu organismo mais saudável, estimular o sistema imunológico e ajudar a manter o risco de câncer de mama mais baixo. A Breastcancer.org afirma que o câncer de mama é menos comum em países onde a dieta típica é baseada em vegetais e com baixo teor de gordura. Portanto, tente incluir mais verduras e frutas nas suas refeições e evite alimentos ultraprocessados.

6. Limitar dose e duração da terapia hormonal

A terapia de reposição hormonal, principalmente a que combina estrogênio e progesterona, aumenta o risco de câncer de mama. Por isso, se estiver fazendo terapia de reposição hormonal, converse com seu médico para saber se existem outras opções e analise os riscos e benefícios de cada uma. Veja também se é possível uma dose e/ou tempo de duração menor.

7. Prestar atenção no próprio corpo

Fique atenta às mudanças do seu corpo. Para isso, olhe, apalpe e sinta suas mamas no dia a dia. Se notar qualquer alteração, como sensação de um caroço ou alterações na pele da mama, consulte um médico.

8. Consultar médico periodicamente e fazer check-up de forma regular

É importante que toda mulher consulte um médico ginecologista ao menos uma vez por ano desde a puberdade. Ele é o médico especialista na saúde feminina e solicitará exames de rotina para verificar se há alguma irregularidade. Para o rastreamento do câncer de mama, a mamografia é o exame mais recomendado.

Atualmente, entidades como o Ministério da Saúde, no Brasil, e a Organização Mundial de Saúde, recomendam que a mamografia seja feita bianualmente e após os 50 anos de idade. Mas, dependendo do histórico da paciente, alguns especialistas costumam solicitar o exame antes.

Para mulheres com risco aumentado de câncer de mama por histórico familiar da doença, além das dicas citadas acima, é possível também realizar teste genético para risco câncer de mama e outros métodos preventivos que devem ser debatidos com o médico. Ele poderá analisar o caso da paciente de forma personalizada e orientar da melhor forma, explicando quais são as opções, como cirurgia preventiva ou uso de medicamentos.

Gostou do artigo? Compartilhe nas suas redes sociais e ajude seus amigos com informação sobre saúde!

Leia também: Confira 10 dicas para manter a saúde do homem em dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *