Novembro Azul

Falar da saúde do homem como se fala hoje em dia, não era tão simples há alguns anos. Por muito tempo, a ideia de “se cuidar” esteve relacionada a uma questão prioritariamente feminina.

A falta de informação e, em alguns casos, o preconceito são algumas das razões que levam os homens a deixarem de lado visitas e procedimentos simples, rápidos, indolores e fundamentais para identificar o câncer de próstata em estágio inicial.

No Brasil o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, ficando atrás apenas do câncer de pele. Os dados informados pelo Inca – Instituto Nacional de Câncer – evidenciam que a cada 10 minutos um homem brasileiro descobre que tem câncer de próstata.

O tumor ocorre na próstata, uma pequena glândula com formato de noz que produz o fluido seminal, líquido responsável por nutrir e transportar o esperma.

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite). Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.

O câncer da próstata pode ser identificado com a combinação de dois exames:

- Dosagem de PSA: exame de sangue que avalia a quantidade do antígeno prostático específico.

- Toque retal: como a glândula fica em frente ao reto, o exame permite ao médico palpar a próstata e perceber se há nódulos (caroços) ou tecidos endurecidos (possível estágio inicial da doença).


Na maioria dos homens, o nível de PSA costuma permanecer abaixo de 4 ng/ml. Alguns pacientes com nível normal de PSA podem ter um tumor maligno, que pode até ser mais agressivo, por isso esse exame, feito de forma isolada, não pode ser a única forma de diagnóstico.

O câncer de próstata é raro em homens com menos de 40, mas a chance de ter câncer de próstata aumenta rapidamente após os 50 anos. Aproximadamente 60% dos cânceres de próstata são diagnosticados em homens com mais de 65 anos. Ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata mais do que duplica o risco de um homem de desenvolver a doença. Assim como, algumas alterações genéticas hereditárias podem aumentar o risco de desenvolver mais do que um tipo de câncer. Os homens com síndrome de Lynch, uma condição causada por alterações genéticas hereditárias, têm um risco aumentado para uma série de cânceres, incluindo o câncer de próstata.